Obras recebidas na Biblioteca da Ajuda:

Iluminação da Casa Real Portuguesa : os candeeiros do Palácio Nacional da Ajuda / António Cota Fevereiro ; pref. José Alberto Ribeiro. - Oeiras : Mazu Press, cop. 2018. – 192 [2]p. : il. ; 23 cm [Oferta do Autor]


Este livro é um detalhado e pioneiro estudo sobre os sistemas de iluminação - novecentistas, a óleo vegetal, petróleo, etc. - da Casa Real Portuguesa.

O autor começa por apresentar as inovações tecnológicas do século XIX, para depois conduzir o leitor numa rebuscada visita ao rico espólio do Palácio Nacional da Ajuda. É uma oportunidade de excelência para conhecer as peças não expostas desta colecção do Património Português.

No final do século XVIII desenvolveram-se sofisticados mecanismos em torno da iluminação a óleo vegetal. Estes foram os primeiros passos para o rápido desenvolvimento deste tipo de luminosidade, posteriormente seguido pelo gás, petróleo e eletricidade. Estes sistemas com intensidade de luz superior às tradicionais alteraram hábitos e vivências no interior da habitação.

Esta evolução está patente no acervo de luminária do Palácio Nacional da Ajuda, sendo alguns exemplares de importantes manufaturas europeias e americanas, relevantes para a história da iluminação e do design. Mas é sobretudo um espólio único no mundo por ter pertencido a uma casa reinante europeia, por estar quase completo, pela qualidade diversificada dos exemplares e por expressarem os grandes avanços tecnológicos do século XIX, entre outras particularidades.

Obra é valorizada com cerca de uma centena de ilustrações e diversos anexos documentais, como glossário, manufacturas e individualidades, totalmente inéditos.

António Cota Fevereiro (n. 1978) é arquiteto e investigador. É mestre em arquitetura pela Universidade Lusíada de Lisboa, onde defendeu em 2011 a tese Álvaro Augusto Machado, José António Jorge Pinto e o Movimento Arte Nova em Portugal.

Tem vindo a desenvolver trabalhos em torno da arquitetura do século XIX e início do século XX, dedicando-se, em particular, ao estudo da volumetria e da espacialidade da Arte Nova portuguesa, da azulejaria e das artes decorativas. Em torno destes trabalhos enveredou pelo levantamento de biografias, complementando assim lacunas e notas biográficas de projetistas, de artistas e de individualidades relevantes para a história da arte em Portugal. Recentemente dedicou-se à biografia e à arquitetura de estrangeiros na ilha de São Miguel, no século XVIII e início do século XIX, que estiveram ligados ao comércio da laranja. Nestes trabalhos tem levantado documentação inédita e que tem vindo a ser publicada em vários artigos.

No ano de 2015 deu início ao estudo aprofundado dos candeeiros da Casa Real, cujo primeiro resultado agora se dá à estampa. O trabalho ainda está em curso, sendo o tema da tese de doutoramento na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Manuel de Gusmão distinguido com medalha de Mérito Cultural

Decorre amanhã, dia 5 de Fevereiro às 15h00, na Biblioteca da Ajuda, com a presença da Ministra da Cultura, a cerimónia de entrega da condecoração de Mérito cultural ao poeta e ensaísta Manuel Gusmão.
 
Mais em  [Aqui]
 


D. Henrique, Cardeal-Rei


Nasce a 31 de Janeiro de 1512 e morre, curiosamente, a 31 de Janeiro, de 1580, com 68 anos; está sepultado no Mosteiro dos Jerónimos.

Filho de D. Manuel I e D. Maria de Aragão e Castela.
Regente, em nome de D. Sebastião, seu sobrinho, de 1562 a 1568.
Rei, de 4 de Agosto de 1578 a 31 de Janeiro de 1580
Cognome, o Casto
Títulos: Arcebispo de Braga, Arcebispo de Évora, Arcebispo de Lisboa, Inquisidor-mor e Cardeal de Portugal



A Biblioteca da Ajuda tem no seu acervo um códice — cartas e papéis de Lourenço Pires de Távora, para diversas individualidades — do qual destacamos o doc., abaixo, com os  “conselhos” que o Embaixador Pires de Távora fez chegar ao Cardeal D. Henrique pela altura em que assumiu a regência de Portugal, durante a menoridade de D. Sebastião.



 
[c. 1562]
Papel que Lourenço Pires de Távora, embaixador que foi de Alemanha e de Roma, deu ao Cardeal D. Henrique quando tomou o governo por El-Rei D. Sebastião seu sobrinho.
BA - 49-IX-38, fls. 1-7v





 
 


 






 



 





AVISO

Informamos que, devido à preparação e realização de um evento oficial nesta Biblioteca, a leitura estará encerrada na próxima terça-feira, 5 de Fevereiro.
O horário regular será retomado no dia 6 de Fevereiro (quarta-feira).

Agradecendo a compreensão dos leitores,

Dia da Conversão de S. Paulo

No dia da conversão do chamado Apóstolo dos gentios, celebrado hoje dia 25 de Janeiro, a Biblioteca da Ajuda apresenta um dos seus manuscritos iluminados:

 Epístolas de S. Paulo: BA 52-XII-34
 
Códice em pergaminho, manuscrito e iluminado. Texto em latim, bicolor. Letra francesa. Glosas marginais em encarnado. Capitulares iluminadas. Nove iluminuras representando cenas de vida de S. Paulo, com cercaduras ornamentadas a cores, ouro e prata com elementos vegetalistas, animais e seres fantásticos.
200 x 125 mm, [80] fls.
 


Desconhece-se o modo como o códice das “Epístolas de S. Paulo” chegou à Biblioteca da Ajuda, tendo o livro uma anotação manuscrita no interior da contracapa com data de 20 de Novembro de 1722 [1722 Nov 20].

 A autoria das iluminuras, desconhecida, poderia ser atribuída a Jean Bourdichon (Tours, c. 1457 – 1521) pelas semelhanças com algumas das suas obras [cf. Paul Getty Museum ].

 Encadernação, inteira de pele (vermelha),  com super-libros e monograma, em ambas as pastas, de Philippe de Béthune (1565-1649). É composto pelo brasão da família circulado pelo colar da Ordem do Espirito Santo, da qual foi nomeado cavaleiro a 31 de Dezembro de 1619. Nos cantos e na lombada, encontra-se repetido o monograma composto por dois "PP" (Philippe), encimados por coroa de conde e circulados por duas palmas. Na lombada aparece o título gravado a ouro “Epistri de S. Pauli”.

 Philippe de Béthune, foi embaixador de França em diversos territórios europeus, nomeadamente, Escócia, Saboia e Alemanha. Têm especial destaque os seus anos como diplomata em Roma, entre 1601 e 1605. Colecionador de arte, é famosa a sua colecção de pinturas, esculturas e manuscritos históricos, com especial relevância para o conjunto de livros de horas. A sua biblioteca foi oferecida a Luís XIV, sendo actualmente uma das joias do Gabinete de Manuscritos e Estampas da Biblioteca Nacional de França.

Em seis das iluminuras, na cercadura, aparece um brasão acompanhado da divisa “Non plus” e de um báculo.
O brasão pertence à família Saint-Gelais (Lusignan) [cf. aqui], com uma pequena variação em relação à parte do brasão pertencente à Família Lusignan. A divisa “Non plus” era utilizada por um dos membros mais conhecidos desta família, o tradutor, poeta e bispo de Angoulême Octavien de Saint-Gelais  (Cognac, 1468-1502). Foi autor de traduções em verso da Eneida de Virgílio, das comédias de Terêncio e de uma Heroide de Ovídio. Outras obras apareceram sob sua autoria, após a sua morte, como a Caça ou a Partida de Amor (1509), ou a Estada de honra (1519). O poeta e músico Mellin de Saint-Gelais é seu sobrinho ou filho natural. Tornou-se bispo de Angoulême em 1494, pelo que o brasão com o báculo tem que pertencer a este período
 
O Códice contém nove das catorze epístolas de S. Paulo, considerado um dos textos mais importantes do Novo Testamento:

Epístola de S. Paulo aos Filipenses (fl. 1 a fl. 9v)

Epístola de S. Paulo aos Colossenses (fl. 9v a fl. 17v)

Primeira epístola de S. Paulo aos Tessalonicenses (fl. 17v a fl. 25v)

Segunda epístola de S. Paulo aos Tessalonicenses (fl. 25v a fl. 30v)

Primeira epístola de S. Paulo a Timóteo (fl. 30v a fl. 40)

Segunda epístola de S. Paulo a Timóteo (fl. 40 a fl. 47)
 

Epístola de S. Paulo a Tito (fl. 47 a fl. 51v)

Epístola de S. Paulo a Filémon (fl. 51v a fl. 54v)

Epístola de S. Paulo aos Hebreus (fl. 54v a fl. 80v)

 
S. Paulo, com nome de nascimento Saulo, nasceu em Tarso, na Cilícia, actual Turquia (c. 3 – c. 66). Filho de Judeus, nasceu cidadão romano privilégio atribuído a seus pais. 

Estudou em Jerusalém tendo sido discípulo do rabino Gamaliel. Fiel às Tradições Judaicas, considerava os discípulos de Jesus traidores dessa religião razão pela qual os perseguia. A caminho de Damasco (Síria), teve uma visão que redundou na sua conversão ao Cristianismo. Transformando por completo a sua vida começou a pregar e a dar testemunho de Jesus, como Filho de Deus.

Um dos seus principais objectivos foi a evangelização dos povos pagãos, daí ser conhecido como Apóstolo dos gentios. É considerado como um dos maiores pensadores da História do Cristianismo. S. Paulo morre em Roma, decapitado, à roda de 67 e 68 D.C.

Mais:

Le Cabinet des manuscrits de la Bibliothèque impériale / Léopold Victor Delisle , Volume 1  p. 266-268

Philippe de Béthune (1565-1649) [aqui]

O Dia da Escrita à Mão - 23 de Janeiro de 2019


A propósito da data, que se assinala esta quarta-feira, a Biblioteca da Ajuda deixa vários exemplos de manuscritos (do latim manu = mãos e scriptus = escrever), que poderão ainda, e dependendo de características próprias, ser classificados de autógrafos — escrito pela mão do autor ou iluminados — com adornos vários (nas letras, miniaturas, bordas...) que irão conferir uma beleza suplementar às letras que compõem o texto.
 
MANUSCRITOS AUTÓGRAFOS:
 

Viena de Áustria 14 de Julho de 1745
Carta de Sebastião José de Carvalho eMelo, para o Comendador Manuel Pereira de Sampaio Ministro Plenipotenciário de Dom João V em Roma [1691-1750], a dar notícias da sua chegada a Viena

BA. 51-XIII-24, n.º 1; Autógrafo

 
O Condestable Dom Nunalurez Pereira / Francisco Rodrigues Lobo, ca 1603 [data tirada da ded.]
Cod. Ms. em papel, [1] 180 fls. – 4.º (21,5x156mm). - Enc. em pergaminho. - Notas marginais. - ded. ao Duque de Bragança, D. Teodósio II, pai de do futuro D. João IV, em Setembro de 1603. 
BA. 49-III-70


 MANUSCRITOS ILUMINADOS:

 [Séc. XV]
Historia de Alexandre Magno da Macedónia, por Quinto Cúrcio Rufo.
Tradução portuguesa da tradução italiana de Pedro Candido [Pier Candido Decembrio].
Dedicada ao Duque de Milão e de Pavia, Filipe Maria [Filippo Maria Visconti.].
BA – 52-XIII-24 (pergaminho)
 


SIENA, Aldobrandino de ? – 1287
[Régime du Corps] / [Aldobrandino da Siena = Allebrant de Florence]

[Manuscrito, [1356]. - 138, [28], [2] f. : 27 lin. ; velino, il. color ; 280x200 mm. - Enc. de pele, com ferros gravados a ouro.
BA 52-XIII-26 [digit. aqui]
 Fol. 1: capital ornamentada a cores e ouro, iluminura com a representação da Criação do Mundo e cercadura ornamentada com motivos estilizados de flora e fauna, com brasão de armas na tarja inferior; ao longo do texto iniciais iluminadas, historiadas e ornamentadas com flores e animais.

 

No último fl., com letra diferente "Cest la [sic] liure que fu fait et compile par maistre Allebr nt [sic] de florente a la requeste de la Contesse de prouence [Beatriz de Sabóia, 1200-1266] qui estoit la meere de la Royne de france de la Royne dalmayn de la Royne dangleterre et la contesse danjou Et fuitcompile en lan mil cccbj.".