As bibliotecas itinerantes


As bibliotecas itinerantes – circulating libraries – que, em Inglaterra, já proliferavam no séc. XVII, eram, antes de mais, um negócio de aluguer de livros. Mediante o pagamento de um montante acessível, por subscrição individual ou familiar, por cada volume ou anualmente – sujeito a multa por eventuais danos causados a cada obra – propiciavam o acesso e o conhecimento dos livros a um cada vez mais vasto número de indivíduos, contribuindo para o enraizamento do gosto e da necessidade da leitura.

Os “Clubes do Livro”, criados no séc. XIX, eram constituídos por membros subscritores que se cotizavam para a compra de livros, sendo estes mais tarde (re)vendidos.

Este ciclo de compra, leitura e venda foi determinante para o incremento da edição e da leitura pública. Algumas destas bibliotecas e livrarias, por deterem o privilégio do conhecimento dos gostos do público leitor, dada a proximidade de contacto, adquiriam impressos – antes ou durante o período de circulação - que se multiplicavam em reimpressões várias, rendibilizando desde logo o investimento prévio na compra de textos, disponibilizando ao público um vasto número de exemplares, ampliando, por isso, a dimensão do mercado livreiro e do público leitor. Havia títulos para todos os gostos (permitidos) e para (quase) todas as bolsas.

Atividade individual ou em família (leitura em voz alta), didático ou lúdico, encenado ou silencioso, a leitura foi conquistando um público diverso e fiel, que foi incorporando os livros nos seus hábitos de lazer.

As bibliotecas itinerantes eram, por vezes e particularmente nas povoações longe dos meios urbanos, “empresas híbridas”, pois integravam outros ramos de negócio: remédios, chapéus, tabaco e até serviços de barbearia. 

Por nos alfinetar a curiosidade, ocorre-nos sugerir, do vasto acervo desta biblioteca, a leitura de uma tradução e edição portuguesa de 1747 de: Discourse upon some late improvements on the means of preserving the health of marines / Sir John Pringle.
                                                          Pringle, John, Sir (1707 – 1782)
Methodo do Capitão Cook, com o qual preservava a saúde dos seus marinheiros, traduzido do original inglez, e offerecido ao illustrissimo e excellentissimo senhor Conde de S. Vicente
Lisboa : Na Regia Officina Typografica, 1747
16 p. ; 20 cm.

BA- 35 – IV - 19 



Continuaremos com este tema, registando desde já, pela relevância implícita, que John Pringle – médico escocês – ficou conhecido como pai da medicina militar.

Letters of a Peking Jesuit: The Correspondence of Ferdinand Verbiest, SJ, Revised and Expanded (1623-1688) / Noël Golvers


O livro, da autoria do professor Noël Golvers, do Instituto Ferdinand Verbiest (Universidade Católica de Lovaina, na Bélgica), é o resultado de um vasto trabalho de duas décadas de investigação e o mais recente e completo trabalho de levantamento da variada correspondência do P. Ferdinand Verbiest.

Noël Golvers
Ferdinand Verbiest Instituut KU Leuven

(Leuven Chinese Studies XXXV)

Leuven, 2017, 962 p., EUR 82,00
ISBN 9789082090987

Together with Verbiest’s printed works, this correspondence is the most direct witness of his rich life and activities (1623-1688). It covers the 43 years between his first application for the Indies (1645) and his farewell to the Kangxi Emperor (28.01.1688). Side by side with the copies of his astronomical drawings and eclipse maps, inventoried in F. Verbiest and the Chinese Heaven (2003), these letters reveal a wide-ranging network of contacts, within China and with Europe. The topics are as many and various as the 55 correspondents are different, spanning the whole spectrum from the Jesuits in Moscow to Pedro II in Lisbon, from the Franciscans in Shandong to Pope Innocentius XI and the Cardinals of CPF in Rome.  The topics are related to his successive positions in the Jesuit hierarchy in China, his work as an engineer and ‘astronomer’ for the Court and his international diplomatic interventions, with the Jesuit mission in China as the central argument. Verbiest appears in his letters as a very engaged personality, with strong (but carefully outed) convictions and a wide outlook, which comprises the Peking and European Courts, together with Manila, Goa and Siam in one vision. This edition of 134 letters from and to Verbiest replaces that of Henri Bosmans (ed. by H. Josson and L. Willaert), publ. in Brussels in 1938. It is a critical revision of the formerly known 80 items, with a restitution of the original Chinese transcriptions (due to A. Dudink), all extended with 54 new items, mostly from the Ajuda archives (Lisbon), the latter putting especially the Chinese scene in the focus. Two major documents are added (dated 1661 and 1681), which reflect his talents as a polemic writer; also in various other letters he unfolds scriptorial talents, combined to a sharp sense of observation. All this makes this pluri-linguistic corpus (mainly in Latin and Portuguese) to a first-hand testimony of the Jesuit mission in China during the restoration from its crisis (1665-1669) to its apogee, of which many dramatic moments and aspects are revealed by the author, who was the main agent in this process.


Para mais informações e compra da obra, contacte:
 pieter.ackerman@fvi.kuleuven.be ou Cheryl.liao@fvi.kuleuven.be

 

COLÓQUIO INTERNACIONAL

A missão jesuíta da China nas coleções da Biblioteca da Ajuda
15 maio | 16h

 
Programa em PDF [aqui]

Convite


Colóquio Internacional | International Conference

 
A missão jesuíta da China nas coleções da Biblioteca da Ajuda
The Jesuit Mission of China in the Ajuda Library collections
 
 15 de Maio 2017 | 16h00 | Biblioteca da Ajuda
May 15th 2017 | 16h00 |  Biblioteca da Ajuda
 
Programa | Programme:


16h00
Boas vindas pelo Diretor do Palácio Nacional da Ajuda| Biblioteca da Ajuda.  – José Alberto Ribeiro
 
 
Wellcome by the Director of National Palace of Ajuda – José Alberto Ribeiro


16h10
Fátima Gomes (PNA | Bibl. Ajuda) Os papéis jesuítas na colecção de manuscritos da Biblioteca da Ajuda: notas para um contexto.
 
Jesuit writings in Ajuda's manuscript collection: drawing a context.  - Fátima Gomes

 16h30
Noël Golvers (KULeuven – F. Verbiest Institute) – Ferdinand Verbiest in Ajuda.

Ferdinand Verbiest na Ajuda. – Noël Golvers
 
16h50

Isabel Pina (CCCM) –  Tomás Pereira nas coleções da Ajuda.

 
Tomás Pereira in the Ajuda's archives. – Isabel Pina

17h10
Stefano Benedetti (Fondazione Intorcetta – Piazza Armerina) – The 'Compendiosa narrazione’ (Prospero Intorcetta) and Jesuit correspondence from China.

A 'Compendiosa narrazione' (Prospero Intorcetta)e a correspondência jesuíta da China. – Stefano Benedetti

 17h30
Henrique Leitão (Univ. Lisboa)  – As coleções da Ajuda e a história da ciência.
 
The Ajuda archives and the history of science.– Henrique Leitão
 
 17h50
Luana Giurgevich (Univ. Lisboa) 'Clavis Bibliothecarum': das bibliotecas às práticas educativas das ordens religiosas portuguesas.

'Clavis Bibliothecarum': das bibliotecas às práticas educativas das ordens religiosas portuguesas. – Luana Giurgevich
 
18h10

Hervé Baudry (CHAM) – A microcensura dos livros dos séculos XVI e XVII através dos exemplares da Biblioteca da Ajuda.



Books' micro censorship: the example of 16th and 17th century Ajuda's copies – Hervé Baudry

 18h30-19h00: Cocktail / Beberete