Reabertura da Biblioteca da Ajuda dia 18 de Maio

REABERTURA DA BILIOTECA DA AJUDA

MEDIDAS DE PROTEÇÃO FACE À PANDEMIA DE COVID-19


O PNA/BA informa que, com o intuito de proporcionar aos seus leitores um serviço mínimo de acesso ao acervo documental, tendo em vista a continuidade de muitas das investigações em curso, irá a assegurar a leitura presencial, apesar de apenas poder contar com a assistência de uma pequena equipa de funcionários da Biblioteca da Ajuda.

O PNA/BA garantem que será efetuada a higienização regular dos espaços e dos materiais como mesas, portas e puxadores, computadores e que todos os elementos da equipa da BA usarão, a tempo inteiro, materiais de proteção (máscara facial e luvas).

Neste sentido e com o objetivo de manter os nossos leitores e a nossa equipa seguros e saudáveis, tomamos a decisão de abrir ao público mediante as seguintes condições:

1. Obrigatoriedade de uso de máscara de proteção facial e higienização das mãos com solução antissética de base alcoólica, disponibilizada no local, antes de entrar nas instalações da BA.


2. A leitura presencial passa a ser possível às segundas, quartas e sextas feiras, das 10h30-13h00 e das 14h00-17h00 e a requisição de obras termina no horário habitual (15h30); as terças e quintas feiras ficam reservadas para respostas a informações, à distância, satisfação de pedidos de digitalizações e seleção da documentação antecipadamente reservada por e-mail;

3. Na sala de leitura só serão aceites, por dia, 5 leitores, correspondendo a 1 leitor por mesa.

4. Só serão aceites, por dia, 2 leitores, que pretendam unicamente efetuar pesquisas, sem possibilidade de consulta, que deverão permanecer na mesa de entrada da Biblioteca da Ajuda.

5. O acesso à leitura e à elaboração de pesquisas passará a ser feito mediante marcação antecipada do(s) dia(s) pretendidos. As marcações da leitura devem ser formuladas por escrito (bibajuda@pnajuda.dgpc.pt), com a identificação clara do requerente e respetivo n.º de leitor da BA (caso já possua);

6. Os números de espécimes a consultar, 12 por dia, mantém-se inalterado salvo no caso da documentação avulsa que poderá ir até 18 espécimes, sujeito a reserva antecipada, por e-mail (bibajuda@pnajuda.dgpc.pt).

7. A fim de diminuir o tempo de espera pela documentação a consultar, a leitura deve ser requisitada previamente, até às 16h00 da véspera do dia marcado para a consulta presencial (bibajuda@pnajuda.dgpc.pt).

8. Os leitores deverão levar para a sala de leitura os materiais essenciais para a pesquisa que irão efetuar estando totalmente vedada a entrada de livros e materiais escritos avulso dos próprios.

9. Os pedidos para reproduções passam a ser feitos, unicamente, por e-mail (bibajuda@pnajuda.dgpc.pt), cabendo ao leitor a identificação correta da obra e paginas a pedir (qualquer erro de identificação detetado implica a não realização do respetivo orçamento); será dada prioridade absoluta a pedidos de digitalização respeitantes a obras que apenas existam na BA.

10. As visitas de estudo ficam sujeitas a avaliação previa da viabilidade das mesmas tendo em conta o n.º de participantes e a disponibilidade de técnicos da BA para as orientar.

Agradecemos aos nossos leitores a melhor compreensão e o cumprimento das novas regras de acesso à Biblioteca da Ajuda de modo a podermos manter o nosso serviço aberto e em segurança para todos.

Quermesse de 1884:



PNA inv. 2848 / Enrique Casanova
Em Maio de 1884 (17 a 19) realizou-se, na Real Tapada da Ajuda, por iniciativa da Rainha Maria Pia, uma  quermesse, cujos fundos reverteram a favor da associação de creches, criada em 1875.

A festa, de acordo com as descrições da  revista Occidente, foi "...extraordinaria, brilhantissima, unica no nosso paiz, e alcançou um resultado que excedeu toda a expectativa."  

Do mesmo evento tem a Biblioteca da Ajuda, na colecção de fotografia, o álbum  intitulado "Kermesse" com um conjunto de 19 imagens, efectuadas pelo fotógrafo Francisco Rocchini, que ilustram o evento.



O álbum com a cota 1234-III- 20 (reg. 5577-5595) está acessível através do Matrizpix [aqui]





Barraca da Rainha

Para saber mais:

 Occidente: revista illustrada de Portugal e do Extrangeiro, ano 1884,  n.º 195 [aqui] e n.º 196 [aqui]

As quermesses como uma forma específica de sociabilidade no séc. XIX. O caso da "Quermesse da Tapada da Ajuda" em 1884 / Irene Vaquinhas [aqui]

Francisco Rocchini – contributo biográfico / Paulo Martins Oliveira [aqui]



Missão de Mariano de Carvalho à Província de Moçambique

Mariano Cirilo de Carvalho, mais conhecido como Mariano de carvalho, nasceu a 25 de Junho de 1836, em Alenquer. Farmacêutico, profissão que exerceu durante um ano, matemático, professor, de Astronomia e Geodesia  na Escola Politécnica de Lisboa, jornalista e politico. Criou e dirigiu, com Andrade Corvo, Observatório Astronómico. Em 1890 foi encarregue, por D. Carlos, de viajar para Moçambique. Parte, no vapor Malange, em Junho de 1890 regressando em Dezembro do mesmo ano.

Da viagem em questão resultou  um álbum, em caixa,
de fotografias cujo objetivo foi "retratar", o mais detalhado possível, o estado da colónia em questão. As fotografias, num total de 115, mostram as paisagens, modo de vida, hábitos e etnias dos habitantes de Moçambique em especial de Lourenço Marques, actual Maputo, Quelimane, Nacala, Prazo Mahindo, da baías do Mocambo e das ilhas de Chiloane e Ibo.

BA. 233-IX

O fotógrafo da expedição foi
Manuel Joaquim Romão Pereira natural de São Bartolomeu de Messines, nasce a 1 de Junho e  morre em Agosto de 1894.

Viveu alguns anos em Loureço Marques, onde tinha o seu atelier de fotografia "Atelier Portuguez de Photographia", localmente conhecida como a "casa do photographo Pereira."




"Provincia de Moçambique. Choca, um grupo"
         

As restantes fotografias estão acessíveis através do Matrizpix [aqui]




...e a terminar a conversa sobre manuscritos, lembremos que:

os códices:

são vestígios materiais de uma época histórica determinada e, por isso também, ‘túneis do tempo’;

são fonte primária para a investigação histórica;

são fonte inesgotável de ideias para inúmeras profissões atuais e projetos de investigação: as decorações no desenho de jóias, na publicidade, na ilustração; reconstituição dos ambientes medievais pelas imagens; reconstituição do universo mental pelas técnicas utilizadas e pelos conteúdos; história da música; história do livro; literatura…

são, enfim, antepassados do livro que temos na mão e inesgotável fonte de conversas cruzadas.


Até breve, na sala de leitura da BA. 

Até lá, boas leituras!


… e a história continua...

… crónicas de reis e reinados...


Cronica de D. Sancho II. BA 47-XIII-22 (fl. 1 e col.)

...livros de Medicina ...



Régime du corps/Aldobrandino de Siena. Velino. Francês. BA 52-XIII-26 (séc. XIV)

Digitalização [aqui]


Physionomia / Rolando de Lisboa. Pergam. Latim

BA 52-XIII-18 (Séc. XV). Ilum. pelo Mestre de Bedford (1401-1450)

Digitalização [aqui]





… e a história continua...

.. Livro Religioso

O livro (religioso) é um instrumento de salvação, quer pela leitura, quer pela feitura. Lembremos algumas ‘invenções medievais’ na escrita:

- margens e páginas em branco;

- pontuação e maiúsculas;

- índices, sumários e resumos;

- obras em vernáculo, destronando o monopólio do latim;

- multiplicação dos géneros: textos religiosos e doutrinais – que eram também académicos e didáticos nos cursos de Teologia e Artes Liberais-, genealogias e obras jurídicas, poesia (cantigas), romances e crónicas, normalmente de monarcas ou grandes chefes militares;

Desenvolvimento de uma ‘indústria do livro’ que é a marca das sociedades modernas.



Exemplos de manuscritos medievais. Atente-se na:

letra de copista, profissão nascente que passou do convento para a Universidade; decoração mais exuberante e complexa devida ao progresso das técnicas, novos materiais que são fruto e motor do incremento económico que fez nascer a cidade.


Breviário. França (Univ.). Séc. XV. Velino. BA 52-XII-39











Bíblia. Latim. Séc. XII (ca). BA 52-XIV-14, fl. 1

Bíblia espanhola: língua vernacular (espanhol) + hebreu acrescentado (revisor/ copista de hebreu); capitular historiada; papel; ilustração do episódio da abertura do mar por Moisés. BA 52-XIII-1 (séc. XV)